Mais de 31 mil jovens formados pelo Sistema Nacional de Formação Profissional

Mais de 31 mil jovens formados pelo Sistema Nacional de Formação Profissional

“Se quisermos seguir as trilhas do desenvolvimento económico e social e lograr o sucesso, a formação profissional é o caminho. Por isso, o Executivo angolano tem vindo a fazer uma aposta muito séria e consistente”, disse Pedro Filipe, secretário de Estado do Trabalho e Segurança Social

Trinta e um mil e 978 cidadãos, de todo país, beneficiaram, de Março do ano passado até ao momento, do Sistema Nacional de Formação Profissional, o que permitiu o aumento dos níveis de empregabilidade, como mecanismo de combate à pobreza e à exclusão social, revelou o secretário de Estado, ontem, em Luanda.

O Ministério da Administração Pública, Trabalho e Segurança e Social (MAPTSS) apresentou estes dados durante o encerramento do ciclo formativo 2020/21, que decorreu no Centro de Formação localizado na Centralidade do Kilamba. Este ciclo formativo foi aberto a 13 de Março de 2020, mas interrompido por conta do registo dos primeiros casos de Covid-19 no país, e reaberto a 27 de Setembro.

Entre os formandos, estão 22 mil e 438 homens e 9 mil e 540 mulheres, abrangidos pelo compromisso do Executivo para a criação de mais postos de emprego, que deverão ser criados e absorvidos pelo sector produtivo da economia.

O secretário de Estado do Trabalho e Segurança Social, Pedro Filipe, disse, durante o discurso de encerramento, que foi um período de muitos desafios, de uma grande provação e que veio ao de cima a capacidade de resiliência, sendo que, “se dúvidas persistissem, os números apresentados são suficientemente claros para nos convencer disto”.

O governante anunciou também que a capacidade de resposta vai aumentar com o lançamento da construção de vários centros de formação profissional nas províncias do Bié, Namibe, Huambo e Cuanza-Norte e a requalificação de outros em Luanda, no âmbito da execução do Plano de Acção de Promoção da Empregabilidade (PAPE).

Além disso, garantiu, será lançado um ambicioso projecto de requalificação dos centros de emprego, dado que a resposta a um dos principais anseios da juventude passa pela oferta de emprego, contabilidade rigorosa da mãode- obra, dos postos de trabalho a disposição no mercado e dos player e das empresas que actuam nele.

“Temos de olhar para os centros de emprego com outros olhos. Requalificá- los, dotá-los com tecnologia e capacidade suficiente para dar resposta a estes grandes desafios. Se quisermos seguir as trilhas do desenvolvimento económico e social e lograr o sucesso, a formação profissional é o caminho. Por isso, o Executivo angolano tem vindo a fazer uma aposta muito séria e consistente”, disse o governante.

Próximo ciclo formativo

O próximo ciclo de acção formativa será concentrado na melhoria das qualificações e capacidade dos formadores. Com esta aposta, pretende o MAPTESS que o produto final do trabalho dos seus formadores esteja suficientemente à altura dos desafios que o mercado apresenta, disse Pedro Filipe, valorizando os parceiros que auxiliaram o ministério nesta tarefa.

Aos formados, o secretário de Estado apelou que o percurso ainda é longo e os desafios que a vida apresenta serão muito mais exigentes. “Por isso, vamos fazer com que tenham os meios para empreenderem. Não é realista que o Estado e as empresas existentes no mercado consigam absorver todos”, finalizou.

O Sistema Nacional de Formação Profissional é composto por 155 centros tutelados pelo Inefop, 866 centros de formação profissional tutelados por instituições privadas e 35 assegurados por departamentos ministeriais, num total de 1155 em 2020, em todo território nacional, incluindo as seis Cidadelas Jovens de Sucesso, distribuídas pelas províncias de Cabinda, Luanda, Malanje, Huíla e Moxico.

O evento contou com a participação de membros do Governo e representantes de instituições nacionais e internacionais, parceiras do MAPTESS no PAPE.

Dumilde Fuxi