MINSA apela a mais comunicação sobre a importância da vacinação

MINSA apela a mais comunicação sobre a importância da vacinação

A directora Nacional de Saúde Pública, Helga Freitas, em representação do secretário de Estado para a Saúde Pública, procedeu ontem à abertura do encontro que a sua instituição organizou com os jornalistas, para abordar a vacinação contra a Covid-19

Helga Freitas afirmou que, actualmente ainda existem grupos anti- vacinas, pelo facto é importante utilizar vozes de confiança, impugnar os boatos e verificar a informação, só assim teremos uma sociedade mais informada e mais saudável.

Na ocasião, explicou que o acto permitiu clarificar aspectos sobre a vacina contra a Covid-19 e fortalecer o diálogo regular entre os jornalistas e os profissionais de saúde, de modos a produzir informação de qualidade para benefício da comunidade.

Helga Freitas lembrou que a comunicação social desempenha um papel vital, tendo em conta que tem uma vertente missionária que lhe permite chegar às comunidades e proteger a saúde pública. Por outra, a comunicação eficaz ajuda a prevenir, reduzir a propagação de doenças, bem como orienta o público para a demanda aos serviços, para a prevenção e o tratamento adequado.

Disse ainda que, actualmente, todas as províncias estão afectadas com Covid-19, sendo a capital do país o epicentro da pandemia.

Entretanto, o objectivo geral da vacinação é reduzir a mortalidade e mobilidade, contribuir para o bem-estar e a retoma das actividades económicas e sociais.

Actualmente, o objectivo específicos é vacinar 52% da população com duas doses, manter a eficácia e a segurança, capacitar 100% dos técnicos, equipas envolvidas na vacinação, estabelecer o sistema de notificação, investigação, promover informação da população, monitorizar processos.

A primeira etapa de vacinação vai até aos 40 anos, onde se prevê vacinar 20% da população e a segunda 29 %, o objectivo é reduzir a transmissão. Serão vacinados pessoas dos 18 até 39 anos.

Por seu turno, o director Nacional de Comunicação Social, António de Sousa frisou que os jornalistas devem intensificar a campanha informativa sobre a Covid-19, tendo em conta que a comunicação é a melhor vacina.

Contou que, o evento realizado, denominado “café de ideias” permitiu abordar diferentes assuntos, com relevância para o combate à pandemia da Covid-19, onde a comunicação social tem um papel importante, de consciencializar as pessoas, esclarecer, apelar para que cumpram rigorosamente as medidas de biossegurança, tais como o usar correctamente as mascaras, lavar constantemente as mãos, manter o distanciamento físico, assim como não mobilizar actos que promovem ajustamentos, são atitudes que devem ser interiorizadas conscientemente por todos. Sem esquecer o incentivo à adesão à vacinação.