É de hoje…O preço da democracia

É de hoje…O preço da democracia

Alternância é a palavra que muitos fazem sentir nas redes sociais nos últimos tempos. Entende-se por ela a mudança de regime, de sistema ou até de camisola para se dar lugar a um outro ente, político, económico e até mesmo social no país.

O que se entende por alternância deve ser, ainda, uma questão que poderá levar algum tempo para percepção entre os que desejam e será explorado por aqueles que pretendem que se mantenha o status quo, tudo porque até mesmo muitos que se têm manifestado energicamente a favor do que se deseja não são sequer capazes de dar os mínimos exemplos de estarem a altura dos desígnios que dizem defender.

Três décadas depois da instauração da democracia no país, um dos sinais mais preocupantes é que muitos dos que se apresentavam como sendo os defensores de um novo modelo de democracia não são sequer capazes de reconhecer os direitos dos outros.

Diariamente, através das redes sociais, é possível divisar o ambiente que se vive no país em termos políticos, estando há muito subjacente a vivência de um período de pré-campanha em que praticamente vale tudo, sobretudo para aqueles que parecem ser os principais players dos partidos políticos nas redes sociais.

É mais do que evidente que estará longe a convicção de que em Angola as redes sociais possam, por si só, ser encaradas como factores determinantes para que um determinado partido vença as eleições. Do mesmo modo que também, independentemente das vozes prós e contras que se mostram, não será por esta via que se deverá aferir em que balança determinados partidos políticos ou coligações estarão na pole position ou não nesta fase derradeira do campeonato.

A forma como determinados segmentos reagem aos comentários que não abonatórios aos seus desígnios demonstra claramente que se dependesse deles dificilmente se poderá coser com êxito o futuro deste país. Há maus exemplos em vários quadrantes, principalmente quando alguém manifeste um pensamento contrário aos propósitos daqueles que se evidenciam como soluções para todos os males de que padecemos.

Não é necessário um exercício fora de série para se poder aferir em que pé estará a balança política neste momento, longe das ruas ou até perante aqueles que, supostamente, parecem ser os melhores palcos de manifestação daquilo que são os nossos gostos e desejos em termos políticos. Respeitar a diversidade de opinião é o primeiro sinal par se ver se alguém está ou não preparado.

Por isso, acorde, use a sua página do Facebook ou Instagram e faça um declaração ao partido ou coligação do seu coração. É um passo simples,mas em poucos minutos já terá noção do preço da nossa democracia. Tente.