Xtagiarious Finance pode construir escola para a comunidade de Quitondo, no Zango III

Xtagiarious Finance pode construir escola para a comunidade de Quitondo, no Zango III

Foram ao referido bairro para doar alimentos de primeira necessidade e atribuir postos de trabalho aos chefes de família mais vulneráveis, mas acabaram por saber que o acesso à escola é quase inexistente, não fossem algumas explicações de iniciativas voluntárias

A empresa Xtagiarious Finance está engajada em contactar a administração municipal de Viana, em Luanda, para lhe ceder espaço e autorizar a construção de escolas, no bairro Quitondo, na Zona do Zango III.

A iniciativa é resultante do clamor dos residentes da referida área, sobretudo as que foram narradas por Fernando Abel que, na semana passada da entrega de alguns donativos, levada a cabo pela Xtagiarious, falou da necessidade urgente que as crianças do Quitondo têm de ter uma escola no seu bairro.

Fernando Abel que, por sinal, mereceu um emprego da referida instituição na área de serralharia, contou, igualmente, que as únicas iniciativas de instrução que havia no bairro se resumiam no circuito de explicação orientada por alguns moradores com competências reconhecidas.

Apesar de, no Domingo, 11, a Xtagiarious Finance ter destacado a sua equipa no bairro carente, para oferecer produtos da cesta básica e algumas vagas de trabalho, o responsável da organização, Edson Caetano de Oliveira, garantiu o foco da sua empresa para a zona que considera de necessidade extrema do Zango III.

Além dessas preocupações, o líder da Xtagiarious Finance ouviu falar-se também da falta de energia eléctrica e água, carências que, segundo ele, agravam ainda mais a situação dos habitantes do subúrbio.

Edson Caetano de Oliveira asseverou que, se houver necessidade, ele e os seus colegas vão alargar as acções, no Zango, pois, a zona carece de muitas dificuldades para aí manterem os seus programas de apoio. Para identificarem os problemas que assolam a comunidade do Quitondo, a Xtagiarious Finance serviu-se de estudos de campo sucessivos.

“À medida que a nossa área social veio fazer aqui o estudo de campo, verificou-se que, nessa zona, havia muitos chefes de família, em pleno horário de trabalho”, recordou Edson Caetano, numa clara demonstração de que estavam visíveis as necessidades básicas de alimentação e o alto nível de desemprego.

E acrescentou dizendo que “vimos que as pessoas desse bairro têm um nível de vida precário, falta de tudo um pouco. Fizemos alguma coisa para colmatar as dificuldades dessa gente e pôr um pouco de alegria no rosto das mesmas”.

Ele referiu ainda que se propuseram a fazer outro estudo paralelo que os possibilitou apurar quais entre os cidadãos do bairro Quitondo podiam empregar na Xtagiarious Finance, nas mais diversas áreas, como nas de motorista, motoqueiro, como assistente de obras, assistente de higiene e de outras cuja prestação de serviço fosse de fácil adaptação.

Depois da presença da Xtagiarious Finance, na área do Zango em referência, os habitantes contemplados com oportunidades de emprego, foram inscritos e inseridos nas diversas ocupações.

“E deixamos o apelo para os grupos de empresários das outras localidades para que possam fazer o mesmo ou melhor, na localidade onde estiverem localizados”, apelou Edson Oliveira.

Nesse diapasão, alinha Fernando Abel que recomendou, igualmente, aos outros empresários a seguirem o exemplo dos dirigentes da Xtagiarious Finance.

Outros beneficiários de emprego

A Xtagiarious existe desde 2013, mas como Xtagiarious Finance, desde 2017. A instituição move-se pelas necessidades extremas diagnosticadas pelos seus membros para apoiar comunidades teoricamente afastadas do circuito urbano.

“O que nos chama atenção para abraçarmos causas como essa do Quitondo-Zango III, é a causa social, escondida nas necessidades diárias da população.

Laurinda Filipe Manuel de 22 anos de idade foi uma das contempladas com a oportunidade que a Xtagiarious Finance deu à comunidade do Zango. Disse tratar-se da primeira vez que vai trabalhar como técnica de higiene.

Outra contemplada foi Angelina Jambela enquadrada como assistente da secção de limpeza. Disse que estava mesmo a precisar do emprego, porque não tinha como sustentar o seu agregado.