Angola pode ganhar centro de medicina desportiva regional Sul

Angola deverá contar, a curto prazo, com Centros Regionais de Medicina Desportiva em Benguela, Cabinda, Huambo e Huíla, visando atenuar as dificuldades naquelas províncias no que respeita ao tratamento de lesões. Este facto foi recentemente anunciado pelo director do Centro Nacional de Medicina Desportiva, João Mulima, sem, no entanto, pormenorizar datas exactas, critérios que levaram a selecção dos locais para albergar as infra-estruturas e nem as fontes de financiamentos.

Angola conta presentemente com uma única unidade do género, localizada em Luanda, sendo que a descentralização evitaria deslocações de pacientes residentes em outras localidades para a capital do país, conforme o médico.

Afirmou apenas que para o cumprimento de tal desiderato serão necessários USD 500 mil para aquisição do equipamento para laboratório de fisiologia do esforço, de imagiologia, de análises clínicas, salas de reabilitação em fisioterapia, de auditório, reuniões, consultoria e para trabalhos administrativos.

O responsável referiu que diariamente ocorrem ao centro de Luanda uma média de 50 pacientes entre antigos e actuais atletas, técnicos, dirigentes e outros agentes interessados nos serviços, números que constituem sobrecarga relativamente a capacidade de atendimento.

Indicou que os atletas não federados e dos escalões de formação são os que mais solicitam os serviços da unidade sanitária, enquanto os de alta competição (profissionais) são, na sua maioria, avaliados nos seus respectivos clubes.

Quanto aos preços praticados, João Mulina avançou, por exemplo, que a avaliação médica a um praticante de alta competição custa Akz 35 mil, enquanto para os não federados está avaliado em Akz 18 mil.