Editorial: Realojamento

Editorial: Realojamento

As incertezas em relação ao futuro de alguns sinistrados fizeram com que se prognosticasse o que virá a acontecer com todos aqueles que estão em situação de risco depois das últimas chuvas que caíram em Luanda.

Com um saldo de mais de 20 mortos, as autoridades terão prometido estabelecer alguns nos projectos sociais existentes com vagas pela capital, prevendo-se que nos próximos tempos ocorra um movimento semelhante ao que teve lugar quando centenas de cidadãos das barrocas da Boavista e de outros bairros da capital foram transferidos para as residências do Zango.

A acontecer, é imperioso que se faça perceber a muitos dos beneficiários que as residências são para serem habitadas por eles. Nos últimos anos, apesar das necessidades por que passavam, houve quem tivesse recebido uma casa, modesta e habitável, mas preferiram desfazer-se delas, vendendo e regressar ao ponto de partida para beneficiarem uma segunda vez.

Antes das residências, acreditamos ser já tempo suficiente para que se criem condições provisórias onde algumas pessoas possam permanecer antes mesmo de obterem a casa definitiva.