Angola bate recorde de infecções por Covid-19

Angola bate recorde de infecções por Covid-19

Nas últimas 24 horas, o país registou a ocorrência de 263 novos casos da Covid-19, três mortes e 22 recuperados. Dos infectados, 235 residem em Luanda, 12 no Cuanza Norte, seis na Huíla, quatro em Cabinda, três no Huambo, dois em Malanje e um no Uíge. Existem no total 26.431 casos positivos, com 594 óbitos e 23.606 casos recuperados, segundo dados divulgados pelo secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda

O governante disse que foram registados três óbitos de cidadãos nacionais, todos em Luanda, com idades de 47, 67 e 83 anos.

Segundo ele, o país registou no mesmo período, a ocorrência de 263 novos casos, dos quais 145 do sexo masculino e 118 do feminino, com idades entre um mês e 73 anos.

Dos infectados, 235 residem em Luanda, 12 no Cuanza-Norte, seis na Huíla, quatro em Cabinda, três no Huambo, dois em Malanje e um no Uíge. O responsável avançou ainda que, conseguiram recuperar 22 pacientes, sendo 20 em Luanda, um no Huambo e igual número na Lunda-Sul, com idades compreendidas entre os 20 e 42 anos. Angola passa a ter no total 26.431 casos positivos, com 594 óbitos e 23.606 casos recuperados e 2.061 assintomáticos. Referiu também que dos casos activos, nove estão em estado crítico com ventilação mecânica, 15 estão em estado grave, 86 moderados, 60 casos leves e 2016 assintomáticos.

As autoridades sanitárias, acompanham 130 pacientes internados nos diferentes centros de tratamento a nível do país, 123 estão a ser acompanhados em quarentena institucional. Existem 1.535 contactos vigiados. A equipa de saúde mental e intervenção psico-social, assistiu 56 contactos.

2.923 amostras processadas

O secretário de Estado para a Saúde Pública disse que os laboratórios processaram 2.923 amostras por RT-PCR. O cumulativo aponta para 499.665 amostras processadas com uma taxa de positividade de 8,9 por cento.Ainda ontem, nos pontos de entrada e saída da província de Luanda, foram atendidas na base de testes rápidos serológicos 911 utentes com o complemento do antigénio nos casos reactivos. Dos quais, nove testaram positivo, sendo cinco no ponto de Maria Teresa e quatro no Cabo-Ledo. De acordo com a fonte, desde o dia 16 de Janeiro até à data, testaram 36.432 viajantes no aeroporto 4 de Fevereiro.Dos quais, 89 testaram positivo, sendo 62 do sexo masculino e 27 do género feminino.

Mudança de estratégias

O professor catedrático da Faculdade de Medicina da Universidade Agostinho Neto, Carlos Pinto de Sousa, considera que a existência da circulação comunitária em Luanda, das novas variantes inglesa e sul- africana, implica a mudança de estratégias. Esta deve assentar em dois pontos fundamentalistas que é o impedimento da importação de casos que passa a ser uma ameaça externa e controlar a circulação e a contaminação do vírus SARSCOV-2, bem como as variantes existentes no país que constitui uma ameaça interna.

“A doença que estava circunscrita na província de Luanda passou a disseminar-se pelo país”, disse. Por outro lado, o professor catedrático e vice-reitor para Área Científica da UPRA, José Ribeiro, referiu que desde Outubro do ano passado os casos aumentaram, mas nos outros meses os casos reduziram. Era uma evidência de que a pandemia estava controlada. Mas no mês de Abril até ao dia de ontem o país quase atingiu os 4 mil casos em apenas um mês. “ No mês de Abril, a velocidade da pandemia foi mais rápida. E pode-se atingir o pico de uma segunda vaga”, disse.