Carta do leitor: Bairro Popular em sofrimento

Carta do leitor: Bairro Popular em sofrimento

Senhor coordenador do jornal O PAÍS, espero que esteja bem, eu aqui vou bem, em Luanda… No Bairro Popular, no distrito urbano do Kilamba Kiaxi, em Luanda, sou morador há mais de 20 anos. Mesmo com as obras do PIIM, o nosso Bairro continua sem grandes condições de comodidade. As ruas, a maioria, continuam esburacadas, muito mesmo, tanto mais que os carros sofrem na hora da circulação.

Não sei o que fazer para uma intervenção mais pontual em todo o Bairro Popular, aliás é um ponto de Luanda com história. Nos idos anos 70 e 80 do século passado, morar no Bairro Popular não era para qualquer angolano, porque somente ministros e directores é que faziam parte daquela zona. Actualmente, o Bairro nem para a história passou, mas, sim para o abandono tal como o Cassequel do Buraco, aí ao lado. Por esta razão, não se conhecem as razões da falta de arborização no Bairro Popular e isso aumenta a sensação de calor na zona.

Não é possível haver muitas casas, mas menos árvores para trocas gasosas no Bairro Popular, além de que as ruas estão completamente esburacadas. Há um lado do Bairro Popular que está minimamente arranjado, mas as obras não se estenderam aos outros pontos das 47 ruas que completam o Bairro Popular. E, quando chove os moradores, a maioria, vê-se à rasca para chegar até à Cimex, no ponto de táxi para os outros locais da cidade de Luanda, capital do nosso rico e belo país, Angola. Mais respeito ao Popula!