Fundação Arte e Cultura abraça projecto “Tuxike Odikanza” do GPL

Fundação Arte e Cultura abraça projecto “Tuxike Odikanza” do GPL

A iniciativa do Governo da Província de Luanda (GPL), através do seu Gabinete de Cultura, Turismo, Juventude e Desportos visa potenciar, massificar e divulgar o instrumento de percussão tradicional, Dikanza

Por esse motivo, a Fundação Arte e Cultura abraçou o projecto, tornando-se, desde a passada Sexta-feira, 30, Pólo de Produção e Ensino da Dikanza, em acto testemunhado pelo vice-governador de Luanda para os sectores Político, Social e Económico, Dionísio da Fonseca, na sede da instituição, na Ilha do Cabo.

Na ocasião, o responsável que tutela a cultura em Luanda, Manuel Gonçalves, considerou a Ilha de Luanda um ponto turístico e estratégico, daí que permitirá a que os visitantes àquela localidade tenham interesse e venham a aprender a tocar o instrumento.

“Temos aqui as condições criadas, vamos alocar aqui um monitor que vai passar a ensinar as crianças. Aliás temos aqui professores de música e sobretudo na vertente da percussão que facilmente vão tomar conta, depois, do projecto por si só. Há um outro elemento fundamental que é a produção da Dikanza”, destacou.

Um outro factor de realce é o facto de a Fundação possuir uma oficina de carpintaria, que poderá ser utilizada para a produção da Dikanza. Igualmente, acrescentou Manuel Gonçalves, ficou o compromisso de o seu pelouro levar alguém para, primeiro, formar as pessoas que vão a passar a produzir as Dikanzas naquele espaço.

“Há aqui um trabalho de coordenação e temos as sementes lançadas, sobretudo por vermos crianças e jovens adolescentes que podemos olhar para a inserção social e tirarmos as crianças e jovens de rua”, enfatizou o director provincial da Cultura, Ambiente e Turismo, Manuel Gonçalves.

Passagem de testemunho

O vice-governador de Luanda, Dionísio da Fonseca, considerou o facto de a Fundação Arte e Cultura desenvolver projectos de formação, poder-se tirar proveito desta vantagem, retirando dela experiências que podem vir a ser transferidas para outras localidades, que constituem a província de Luanda.

“Se pelo menos cada um dos distritos urbanos e comunas tivesse uma casa de cultura como esta, Luanda já estaria bem servida do ponto de vista cultural. Este é o desafio, tentar transferir esta experiência para as outras localidades e pensamos que algumas têm condições para albergar a curto prazo”, vaticinou o responsável.

O facto de a Fundação Arte e Cultura promover e potenciar crianças, e jovens que, anteriormente, faziam da rua o seu habitat e por via da arte e cultura conseguiram transformar-se, é para Dionísio da Fonseca um aspecto bastante positivo e de realce, uma vez que conseguiram abandonar as ruas e estão hoje num lar, a desenvolver actividades individuais, o que estimula bastante.

“As crianças continuarão a ser a prioridade absoluta. Todas aquelas iniciativas que estão a ser desenvolvidas em prol do desenvolvimento integral da criança devem ser, não só apadrinhadas pelo Estado, mas o Estado deve ser um dos principais promotores de iniciativas do género”, destacou.

Fundação Arte e Cultura

A directora-geral da Fundação, Naama Margalit, realçou a importância das pessoas e dirigentes visitarem a instituição que dirige. Pois, segundo suas palavras, sem que haja visitas, as pessoas não entenderão a importância dos vários trabalhos sociais e de educação através das artes por eles desenvolvidas.

Daí que, como anfitriã, agradeceu a visita dos integrantes do GPL, dando nota positiva ao facto de que os educadores têm instrução para prestarem atenção a qualquer necessidade triste que qualquer criança esteja a passar, quer seja de roupa suja, fome, agressão física e estes, imediatamente, notificam a direcção para os devidos cuidados dando respostas às necessidades das crianças.

“Entendemos que, quanto mais as crianças começarem, ainda pequenas, a formação em artes, terão a possibilidade de desenvolver as suas mentes, podendo ser mais criativas”, concluiu a gestora.