Bengo aumenta a produção para 92,7 mil metros cúbicos

A produção de inertes na província do Bengo aumentou para 92,7 mil metros cúbicos, no primeiro trimestre deste ano, mais 4.480 metros cúbicos em relação ao igual período de 2020, em que se produziu 88 mil e 306 metros cúbicos

Trata-se do gnaisse, areia, burgau e do quartzo que permitiram arrecadar, no primeiro trimestre de 2021, 4 milhões e 61 mil kwanzas, contra um milhão e 26 mil kwanzas do período homólogo do ano anterior.

Em declarações à imprensa , a chefe do departamento de Recursos Minerais do Gabinete Provincial para o Desenvolvimento Económico Integrado, Rita Vicente, justificou o aumento da produção com a nova dinâmica de trabalho implementada pelas empresas, durante este período da pandemia. O sector na região controla 30 empresas de exploração, das quais 16 em pleno funcionamento e 14 paralisadas, devido à crise económica e financeira. Os maiores centros de exploração são as localidades do Kicabo e Barra do Dande. Segundo o cadastro geológico-mineiro, a província do Bengo tem uma área total de ocupação de 18 mil e 643 hectares e 12 mil metros quadrados. Os principais minérios produzidos no Bengo são o gnaisse, o burgau, a areia, o gesso, o calcário, as rochas asfálticas, o quartzo e o ouro.