“Não existe qualquer intenção de obstaculizar a imprensa”

“Não existe qualquer intenção de obstaculizar a imprensa”

O ministro das Telecomunicações, Tecnologia de Informação e Comunicação Social, Manuel Homem, explicou que a realização desse fórum tem como propósito homenagear esta data, instituída pela Organização das Nações Unidas em 1993, recomendada pelo UNESCO, na sequência da declaração de Windhoek de 1991, sobre independência da média e o pluralismo da imprensa que tem como objectivos promover os princípios fundamentais da liberdade de imprensa.

Visa igualmente combater os ataques feitos aos média e impedir as violações da liberdade de imprensa; lembrar os jornalistas que são vítimas de ataques, capturados, torturados ou a quem são impostos limitações no exercício da sua profissão; prestar homenagem a todos os profissionais que faleceram vítimas de ataques terroristas ou que foram assassinados por organizações terroristas. Manuel Homem disse que o lema deste ano, “Informação como um Bem Público”, insere-se na lógica dos objectivos que estão na base da institucionalização do 3 de Maio como Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, assinalado ontem.

O ministro reconheceu que ainda há muito a ser feito para atingirmos um estado de excelência, sublinhando que existe em Angola condições para exercício da liberdade de imprensa e que da parte do Executivo não existe qualquer intenção de obstaculizar, antes sim, todo o esforço tem sido feito para que se possa exercer esse direito fundamental de forma mais ampla, consciente e responsável.

Por sua vez, a presidente da Comissão de Carteira e Ética, Luísa Rogério, em declarações à imprensa, disse que esse encontro realça a necessidade de discutirmos sobre os valores da liberdade de imprensa, frisando que acha pertinente se reflectir sobre os factores que constrangem a liberdade de imprensa em Angola que faz com que tenhamos ainda uma liberdade de imprensa a duas velocidades. Entretanto, recordou que Angola está classificada na ranking da na posição 103 da liberdade de imprensa e que muitos que todos que trabalham aqui sabem que há limitações.