África do Sul defende intervenção urgente da SADC em Cabo Delgado

África do Sul defende intervenção urgente da SADC em Cabo Delgado

A integração e a industrialização da região da SADC, bem como a situação em Cabo Delgado (Moçambique) foram os pontos mais altos das conversações do encontro de cortesia entre o secretário-geral do MPLA, Paulo Pombolo, e o embaixador da África do Sul, em Angola

O embaixador da África do Sul acreditado em Angola, Oupa Ephraim Monareng defendeu uma intervenção urgente da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral(SADC) em Cabo Delgado (Moçambique), para travar os conflitos que afectam aquela região.

O diplomata sul-africano considera positiva a concertação da SADC que pretende enviar militares para fazer face ao terrorismo naquela região.

“Não esqueçamos que todos nós somos membros da SADC, quando um está ferido toda a região está ferida. Neste momento, a África do Sul já enviou uma equipa técnica para avaliar a situação”, disse Oupa Monareng.

No que respeita às relações entre Angola e África do Sul, Monareng afirmou que o seu país tem Angola como parceiro privilegiado na sua agenda de política externa e no projecto de afirmação da SADC.

Referiu que as relações entre os dois países são de longa data e históricas, destacando o importante papel que Angola teve na luta contra o regime do apartheid.

“Isso para nós é algo que nunca será esquecido. O ANC hoje está no poder fruto do apoio que o MPLA e Angola como país ofereceram à África do Sul”, reconheceu.

As relações entre ambos foram ainda mais reforçadas quando Angola foi escolhida como primeiro destino para a visita de Estado do Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, pela “relação muito especial e histórica” existente entre os dois países, desde a luta pela libertação contra o regime do apartheid.

Angola é considerado como um dos países africanos que muito contribuiu e consentiu muitos sacrifícios para que a África do Sul fosse livre.

Os dois países mantêm cooperação no domínio da indústria extractiva, infra-estruturas, agricultura, turismo e crédito financeiro.

Conflito

Desde 2017 que a província de Cabo Delgado, em Moçambique, é alvo de ataques terroristas.

Os ataques já causaram mais de 2 mil mortos e para cima de 700 mil refugiados.

O último ataque do grupo foi no dia 24 de Março, à vila de Palma, no extremo norte da província e palco do maior projecto de gás natural em África.

Desde que começaram os ataques armados em Cabo Delgado, os insurgentes já atacaram Mocímboa da Praia, Macomia, Nangade e Palma.

O grupo jihadista islâmico al- Shabab atacou a vila de Palma, que fica a apenas 10 quilómetros do local onde o grupo francês de energia Total está a desenvolver um projecto de exploração de gás natural no valor de 60 mil milhões de dólares.

Centenas de trabalhadores estrangeiros barricaram-se num hotel – na operação de resgate, sete deles morreram e vários ficaram feridos, incluindo um cidadão português.