É de hoje…Cheiro do papel

É de hoje…Cheiro do papel

Um dos mais ardentes desejos do velho escriba era que no dia em que morresse pudessem forrar o seu caixão com jornais, para que mesmo já estando no além pudesse ainda sentir o cheiro da tinta e o toque do papel com que se sempre lidou.

Naquela noite . . .


Registe-se como Assinante ou inicie a sua sessão para continuar a ler este artigo.
Entrar - Criar Conta