Associações provinciais divergem na continuidade do elenco cessante da FAF

Associações provinciais divergem na continuidade do elenco cessante da FAF

As associações provinciais de futebol (APF), ouvidas por este jornal, divergiram nos pontos que serão discutidos, amanhã, às 10:00, na Assembleia- geral extraordinária do órgão reitor do desporto-rei no país, no Hotel Royal Plaza, em Talatona, Luanda.

Por sua vez, o presidente da Associação Provincial de Futebol do Moxico, Lilito Freitas, disse que o objectivo do conclave é encontrar consenso naquilo que está programado, isto é, o “momento menos bom que a FAF vive, a gestão da FAF e eventuais consequências negativas do processo eleitoral referente ao ciclo olímpico 2020/2024”.

Lilito Freitas fez saber que o encontro vai ajudar a resolver os problemas em que a Federação está mergulhada faz tempo.

O responsável associativo revelou que as expectativas para o certame são boas, porque mostra que a família do futebol está unida em prol do desenvolvimento e do bem-estar da modalidade.

O presidente da APF Cuanza-Sul, José Ventura, partilha da mesma opinião. Porém, o líder daquela associação disse que não é bom exemplo o que se está a passar no órgão do futebol angolano.

Por este motivo, José Ventura mostrou-se confiante, logo garante que haverá unanimidade nos pontos que serão debatidos, uma vez que a FAF não pode ficar sem direcção por muito tempo. Já o secretário-geral da APF Luanda, Osvaldo Marcelino, foi mais profundo na sua abordagem, dizendo que a assembleia-geral extraordinária de amanhã não será para discutir questões de fórum pessoal.

Questionado se a direcção de Artur de Almeida e Silva deve continuar a liderar a FAF, Osvaldo Marcelino respondeu categoricamente que o actual elenco da federação deve imediatamente abandonar o barco para o bem da modalidade.

APF Uíge a favor do elenco cessante

O presidente da Associação Provincial de Futebol do Uíge, Neves Agostinho, por sua vez, defendeu a continuidade do elenco cessante de Artur Almeida e Silva até que o Tribunal Provincial de Luanda possa resolver de uma por todas. “Se tirarmos o actual elenco, vamos dar tiro às próprias pernas, porque temos o Girabola 2020/2021, Campeonato Nacional, e a Taça de Angola a decorrer”, justificou o presidente.

Por esta razão, Neves Agostinho disse que é importante analisar a situação com muito cuidado, de modo a evitarem-se mais erros.