Exploração inadequada deixa mina diamantífera à beira da falência

Exploração inadequada deixa mina diamantífera à beira da falência

A exploração inadequada de diamantes, feita pela antiga gestão da empresa “Camútue”, na mina da actual Sociedade Mineira de “Kaixepa” (nova gestora), situada na Lunda-Norte, está a impactar, negativamente, na produção e rentabilidade da empresa, deixando a diamantífera à beira da falência técnica

Esta declaração é do novo presidente do Conselho de Gestão de “Kaixepa”, Domingos Margarida. Segundo o gestor, “a forma de exploração da antiga empresa, numa mina de kimberlito, não se adequa aos actuais padrões universalmente estabelecidos, tendo em conta a metodologia inadequada que era usada”.

Há quase um mês, desde que assumiu a gestão da “Kaixepa”, Domingos Margarida, que falava à imprensa, ontem, no âmbito da jornada de campo, que alguns jornalistas efectuam às zonas mineiras, explicou que a mina era explorada de forma aleatória e “empiricamente” em forma aluvionar, em vez de kimberlito, como são caracterizados os dois blocos de exploração, naquela região.

Esclareceu que o método de exploração no kimberlito obedece a critérios técnicos e específicos que diferem da produção aluvionar, factores que “não foram rigorosamente observados” pelo antigo operador.

Segundo o também engenheiro de minas, a forma de escavação de um kimberlito é diferente do aluvionar, onde se pode encontrar o cascalho a 30 ou 40 metros de profundidade, por exemplo.

A produção aluvionar, continuou, pode ser feita em várias áreas de forma desconcentrada, por exemplo, enquanto o kimberlito é explorado numa só rocha, com única cadeia de produção no mesmo local.

Segundo o técnico, a forma inversa como era explorada o kimberlito deixou degradada a mina, denotando ignorância ou “má-fé” por parte da antiga empresa, dificultando ao máximo a actividade da actual gestão.

Fez saber ainda que a nova gestão encontrou quase todos os equipamentos obsoletos e sem stock de peças para possível reparação das máquinas, apontando a falta de novos equipamentos como outro factor que tem afectado, negativamente, os níveis de produção da empresa.

“Encontramos a mina quase a afundar, faltando apenas declarar falência técnica, por não ter condições para continuar a operar. Mas, em função da responsabilidade que a empresa assumiu com os seus trabalhadores e a comunidade local, vamos tentar resolver os problemas encontrados e manter os actuais níveis de produção”, afirmou.

Segundo o novo gestor, além de “não pagar impostos”, a antiga “Camútue”, gerida por um grupo de empresários angolanos e sul-africanos, nem mesmo permitia as autoridades governamentais entrar na mina, para fiscalizar ou dialogar.

Diante deste cenário, a partir dos finais de 2019, a Endiama teve de refazer o contrato e começou com o processo de transição da antiga para a nova gestão, denominada Sociedade Mineira de “Kaixepa”, que está a gerir a mina, desde o dia 01 deste mês.

Em função de vários constrangimentos, a actual produção situa-se em 5 mil quilates por mês, contra 12 mil quilates/mês da capacidade da empresa.

Entretanto, para aumentar a sua produção, a “Kaixepa” precisa de cerca de USD 30 milhões, para aquisição de novas lavarias, peças de reposição e outros equipamentos.

A mina de “Kaixepa”, situada a 150 quilómetros da capital da Lunda- Norte, Dundo, emprega 763 trabalhadores, entre nacionais e estrangeiros.

Com uma área de concessão de 76 quilómetros quadrados, a mina conta com dois kimberlitos em exploração.