Morte: o silêncio do governo

Morte: o silêncio do governo

Como um raio, ela chega e espelha o pavor, entristece o coração. Quando chega, ninguém a detém, não falha na sua missão – diz-se ser infalível e inevitável. É a parte, talvez, mais importante e contestada da natureza do homem.

Não dorme, n . . .


Registe-se ou inicie sessão para continuar a ler este artigo.
Entrar - Criar Conta