EUA suspendem parte da ajuda ao Gabão depois do golpe

EUA suspendem parte da ajuda ao Gabão depois do golpe

“O Governo norte-americano suspende uma parte DA ajuda externa ao Gabão, enquanto avalia a intervenção inconstitucional de membros do exército do país”, declarou o secretário de Estado, Antony Blinken, em comunicado.

O montante da ajuda suspensa e os programas directamente visados não foram especificados, mas a decisão não afecta as operações consulares ou da embaixada dos EUA no país africano, rico em petróleo e governado há mais de 55 anos pela família Bongo.

Com esta decisão, os Estados Unidos estão a cumprir as medidas tomadas pelas organizações regionais e outros países, e isso “continuará enquanto são examinados os factos no terreno no Gabão”, indicou Blinken.

“Estamos a prosseguir as nossas operações governamentais no Gabão, incluindo as operações diplomáticas e consulares de apoio aos cidadãos norte-americanos”, acrescentou o secretário de Estado.

A União Africana suspendeu o Gabão como membro do bloco e muitas organizações e governos de todo o mundo condenaram o golpe de Estado.

Os EUA não se referiram formalmente a um “golpe de Estado” no Gabão, o que, nos termos da legislação norte-americana, iria obrigar Washington a suspender a ajuda por tempo indeterminado.

Em 30 de Agosto, o exército gabonês derrubou o Presidente Ali Bongo Ondimba, que estava no poder há 14 anos.

Na semana passada, o novo primeiro-ministro, Raymond Ndong Sima, nomeado há duas semanas pelo general Brice Oligui Nguema, declarou na ONU que era “o mal menor” para evitar a violência generalizada devido a “mais um bloqueio eleitoral”.