Mídia revela nova lista de desejos de armas da Ucrânia enviada aos EUA

Mídia revela nova lista de desejos de armas da Ucrânia enviada aos EUA

Kievestá supostamente a tentar obter sistema de mísseis THAAD fabricado nos EUA e os caças F-18 Hornet segundo a mídia britânica

De acordo com a Reuters, os militares da Ucrânia divulgaram uma lista de armas que esperam receber de Washington nos próximos meses, com várias novas armas que não estavam incluídas em pacotes de ajuda anteriores.

Funcionários do Ministério da Defesa ucraniano distribuíram uma “lista de armamentos para atender às necessidades das forças de defesa da Ucrânia” durante uma reunião a portas fechadas entre autoridades e executivos da indústria de armas em Washington, DC, na Quartafeira (6), cuja cópia foi posteriormente obtida pela Reuters.

A lista “abrangente” apresenta uma série de armas que Kiev procurou obter anteriormente — incluindo projécteis de artilharia de 155 mm, F-16 e mísseis ATACMS de longo alcance mas também inclui vários sistemas importantes que não apareceram em pedidos anteriores.

Entre os novos itens estão o caça F-18 Hornet, o avião de transporte C-130J Super Hercules, dois helicópteros diferentes e até mesmo o caro terminal de defesa de área de alta altitude (THAAD).

Em serviço nos EUA desde 2008, o sistema de mísseis terra-ar THAAD foi concebido para abater projécteis de alcance curto, médio e intermediário, e foi implantado no território de vários parceiros dos EUA, incluindo Israel, Coreia do Sul e Roménia.

Embora a arma tenha sido pouco utilizada no campo de batalha desde que foi desenvolvida, acredita-se que ela tenha um alcance operacional de até 200 quilómetros.

Embora o último pedido de Kiev não fizesse qualquer menção ao custo, em conjunto as armas representariam um preço multimilionário para os contribuintes dos EUA.

A legislação que consagraria ajuda militar adicional à Ucrânia está actualmente em tramitação no Congresso dos EUA, mas tem enfrentado forte oposição republicana à medida que alguns legisladores se tornam cépticos em relação à generosidade norte-americana.

Na Quarta-feira, os republicanos do Senado impediram o avanço do pacote de segurança, instando os oponentes do outro lado do corredor a aprovarem controlos de migração mais rígidos na fronteira entre os EUA e o México.

O presidente Joe Biden disse que está pronto para fazer “compromissos significativos” na política de fronteiras se isso significar a aprovação do pacote de gastos, mas repreendeu os membros do Partido Republicano que, segundo ele, estavam “dispostos a literalmente dar uma joelhada na Ucrânia no campo de batalha e prejudicar a nossa segurança nacional”.

A principal autoridade orçamentária de Biden, Shalanda Young, alertou que Washington estava “sem dinheiro” para Kiev no início desta semana (4), dizendo aos repórteres que “sem acção do Congresso, até ao final do ano, ficaremos sem recursos para adquirir mais armas e equipamentos para a Ucrânia e para fornecer equipamento dos estoques militares dos EUA.”

Ela prosseguiu, observando que, em meados de Novembro, o Pentágono tinha gasto 97% dos USD 62,3 biliões que recebeu para a Ucrânia este ano, enquanto o Departamento de Estado e a Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional (USAID, na sigla em inglês) tinham usado 100% dos fundos alocados.