Nunca se mata a memória

Nunca se mata a memória

O tempo em que isto era uma “manada de brutos” acabou. Mas parece que há quem assim não pense, ou que tem de acertar o passo com a história. Apesar de a grande maioria dos angolanos estar grandemente condicionada em termos de acesso . . .


Registe-se como Assinante ou inicie sessão para continuar a ler este artigo.
Entrar - Criar Conta