Editorial: Efeitos dos EUA

Editorial: Efeitos dos EUA

Uma semana depois de os Presidentes João Lourenço (Angola) e Joe Biden (EUA) se terem encontrado na Sala Oval da Casa Branca, o embaixador deste país em território angolano apresentou aquelas que são as principais linhas de força para os próximos tempos.

Para já, está confirmado que os EUA pretendem investir mais em Angola.Ir muito além dos tradicionais mecanismos de cooperação, estendendo agora a sua ligação aos sectores da construção, energia e tecnologias.

É sábido que têm assegurado mil milhões de dólares no Corredor do Lobito, 2 mil milhões na energia e outros para a construção de 180 pontes no interior do país. Começam a estar por demais visíveis os resultados de uma visita que se tornava imperiosa acontecer.