CIVICOP na Jamba em busca de ossadas de familiares e antigos dirigentes da UNITA

CIVICOP na Jamba em busca de ossadas de familiares e antigos dirigentes da UNITA

A Comissão para a Implementação do Plano de Reconciliação em Memória das Vítimas dos Conflitos Políticos (CIVICOP) começou, Quarta-feira, na Jamba, província do Cuando Cubango, antigo bastião do “Galo Negro”, o processo de buscas de ossadas de familiares e antigos dirigentes da UNITA

Na passada Segunda-feira, uma equipa da CIVICOP encabeçada pelo general Fernando Garcia Miala, coordenador da sub-comissão de segurança, logística e infra-estruturas, seguiu para Menongue, capital da província do Cuando Cubango, que previa ainda a deslocação ao município do Rivungo, e de lá para a localidade da Jamba – apoiados por helicópteros da Força Aérea Nacional. A comitiva da CIVICOP conta ainda, para além de outros técnicos, com a presença do porta- voz da comissão, Israel Nambi, e de dois médicos legistas do Laboratório Central de Criminalística do Serviço de Investigação Criminal.

Os especialistas esperam localizar as ossadas das famílias Chingunji, Wilson dos Santos, das 80 mulheres e os respectivos filhos que foram carbonizadas vivas, a pretexto de serem bruxas, na então chamada “fogueira de Jonas Savimbi”, bem como de outras figuras ligadas ao partido do “Galo Negro”. Segundo os técnicos da CIVI- COP, a brutalidade com que foram dizimadas as vítimas afasta qualquer possibilidade de localização dos restos mortais. O médico legista Aurélio Rodrigues revelou que, na perspectiva forense, o local identificado como sendo o palco de queima das vítimas acusadas de bruxaria, do ponto de vista de buscas, a probabilidade é bastante reduzida.

Ainda assim, os técnicos pro- metem dar o seu melhor para realizarem o melhor trabalho possível. Já o administrador municipal do Rivungo, Jackson Carvalho, regozijou-se com a iniciativa e disse que a mesma insere-se no espírito de pacificação e reconciliação, sendo, por isso, perspectivado que esta operação possa trazer a paz e a concórdia entre os angolanos.

Localizadas possíveis ossadas em duas localidades

Apesar das dificuldades avançadas, a equipa de perítos da CIVICOP conseguiu identificar a presença de ossadas, em duas localidades, com ajuda dos equipamentos utilizados para detectar a presença de Necrochorume, substância produzida durante o processo de decomposição dos cadáveres. Trata-se das localidades da Jamba, ponto de partida da missão, e Vila Nova, em Etalala, próximo a uma das antigas residências de Jonas Savimbi, de onde os perítos acredita ser o locla onde foram depositados os restos mortais dos ex-dirigentes da UNITA.

Para o legista Aurélio Rodrigues, os próximos passo serão as escavações, com ajuda de máquinas, e tão logo tiverem resultados positivos começarão os trabalhos de modo manual. Esta actividade, segundo o períto, poderá acarretar algum grau de dificuldade, tendo em conta a forma como os corpos terão sido depositados. “Findo este trabalho, com a identificação e escavação, vamos poder fazer o levantamento das ossadas para devidamente serem acomodadas e embaladas e, posteriormente, remetidos ao laboratório de criminalística”, disse. Ainda assim, a equipa da CIVICOP espera que a UNITA possa ajudar na localização das ossadas.

Família Chingunji felicita iniciativa

Eduardo Jonatão Chingunji “Dinho” é um dos sobreviventes da chacina perpetrada por homens a mando de Jonas Savimbi. Na localidade da Jamba, o agora político perdeu mais de uma dezena de familiares, entre pais, irmãos, tios, tias, avós e primos directos. Depois de anos de busca incessante pelos restos dos familiares, a esperança, já moribunda, voltou a nascer com a iniciativa da CIVICOP, que virou agora as suas baterias para a localidade da Jamba à procura de possíveis ossadas. Ao jornal OPAÍS, Dinho Chingunji enalteceu a iniciativa e disse que a família está esperançosa em realizar um funeral condigno para os seus entes-queridos.

“É uma das melhores notícias que recebemos desde 1991, altura em que começamos os esforços para localizar e obter os restos mortais dos nossos familiares”, disse, acrescentando que estes esforços vinham sendo frustrados por membros da direcção da UNITA. Afirmou que alguns dos que praticaram aqueles bárbaros actos são hoje membros da mais alta estrutura do partido do “Galo Negro”, pelo que seria justo, para si e seus familiares, que respondessem pelos crimes cometidos. “Temos a plena consciência que isto é difícil, eu mesmo já me bati muito pra que isso acontecesse, mas nos contentamos em ter, ao menos, as ossadas dos nossos entes e realizar um funeral condigno, tal como aconteceu com outras famílias”, explicou.

CIVICOP instou UNITA a ajudar na localização das valas comuns

Em Março do ano passado, o então ministro da Justiça e dos Direitos Humanos, e coordenador da CIVICOP, Francisco Queiroz, havia anunciado, durante uma reunião de balanço deste órgão, que instara a UNITA a indicar outros lugares, na Jamba, onde pudessem ser localiza- das ossadas. “Vamos trabalhar com o representante da UNITA na CIVICOP para que possamos também fazer a recolha de ossos na Jamba e noutros locais que a UNITA possa indicar”, ressaltou na ocasião.