CPLP pode contribuir para implementação de políticas públicas de habitação

CPLP pode contribuir para implementação de políticas públicas de habitação

A presidente da Conferência de Ministros da Juventude e Desportos da CPLP, Eurídice Semedo Medeiros, defendeu, ontem, em Luanda, que os Estados-membros desta organização podem contribuir para a implementação de políticas públicas de habitação para dirimir as necessidades de habitação.

Segundo a presidente de ministros da CPLP, que discursava na abertura do “Fórum Sobre Experiências de Políticas Públicas Sobre Habitação para a Juventude da CPLP, os Estados devem unir esforços desde que se respeitem as especificidades de cada país, respeitando os princípios da sustentabilidade, da participação, da diversidade e da equidade.

Desta feita, continuou, o papel  de cada Estado-membro deve ser apoiar, incentivar, estimular e, ao mesmo tempo, ser vigilante e as- sumir que é fundamental dar voz aos jovens e garantir as condições essenciais para a participação activa e sustentável dos mesmos na sociedade, segundo a Angop.

“O papel da juventude da CPLP ganhou preponderância e está a ser materializado a nível das instituições como da sociedade civil”, frisou. Explicou que, segundo dados da ONU Habitat, cerca de 2 biliões de pessoas vivem em condições inadequadas de habitação e sem acesso aos serviços básicos como água, saneamento, electricidade e segurança.

“Estima-se que 100 milhões de pessoas vivem em situação de rua e 880 milhões vivem em assentos informais, muitas vezes em áreas de risco e vulnerabilidade, esses números revelam a urgência em garantir habitação condigna para todos para promoção da educação, saúde, cidadania, inclusão social e do desenvolvimento humano”, disse.

Acrescentou que com a crescente representatividade da juventude na comunidade CPLP e todos juntos a partilhar conhecimentos, recursos, trabalhar para fortalecer as instituições, só assim se poderá garantir que todos os jovens tenham acesso a uma habitação digna, adequada e acessível como condição para o exercício pleno da sua cidadania e realização dos seus projectos de vida.

“Termino apelando que sejam criados espaços de interação sobre políticas de acesso à habitação e que sejam discutidas as questões ligadas de acesso à habitação para todos que tenham resposta por via do mercado”, frisou. Por sua vez, o presidente do Conselho Nacional da Juventude, Isaías Kalunga, disse que os Estados devem ter programas de habitação sociais direccionados aos jovens para atender às suas necessidades que são “gritantes”.

No seu ponto de vista, os governos devem criar políticas de acesso ao financiamento e crédito aos jovens que desejam adquirir uma casa própria. No encontro participaram o secretário Executivo da CPLP, Manuel Lapão, a presidente do Fórum da Juventude da CPLP, Alassatu Fores Djalo, deputados, jovens da CPLP, entre outros. Debateram ainda, entre outros, temas “A Experiência de Políticas Públicas Sobre Habitação Para a Juventude da CPLP”