Delegados de lista vandalizam sede da CASA-CE

Delegados de lista vandalizam sede da CASA-CE

Por não verem os valores reflectidos nas suas contas bancárias, em referência ao trabalho prestado nas eleições do dia 24 de Agosto, os delegados de lista da Convenção Ampla de Salvação de Angola-Coligação Eleitoral (CASA-CE), com pedras e outros objectos contundentes, invadiram nesta Quarta-feira a sede nacional, em Luanda

Os delegados de lista da Convergência Ampla de Salvação de Angola-Coligação Eleitoral (CASA- CE), que cobriram as eleições gerais no dia 24 do mês passado, vandalizaram a sede nacional, localizada no distrito urbano da Maianga, em Luanda.

Os delegados, divididos em vários grupos, com pedras e objectos contundentes tentaram derrubar o portão, mas, pelos vistos era tão forte que o mesmo não beijou o solo local.

Os jovens, visivelmente furiosos, tentaram escalar o muro de vedação da sede, mas, sem sucesso, uma vez que a distância entre a rua e o seu interior podia lesionar quem tentasse.

Nos vídeos, postos a circular nas redes sociais, pode ver-se que os guardas desapareceram, aliás não tinham capacidade para travar a ira dos delegados que não acusam os valores nas suas contas bancárias.

No local e mesmo no interior da sede da Coligação Eleitoral, não se viu qualquer dirigente, pois temiam por represálias, sendo certo que os jovens delegados de lista não obedeciam os valores da boa convivência em sociedade.

Assim, a CASA-CE tem a obrigação de pagar os correspondentes subsídios, de modo a contornar a vontade dos jovens, que alegam ter cumprido as orientações dadas antes e depois das eleições gerais, cujo vencedor foi o MPLA de João Lourenço.

Uma fonte da Coligação Eleitoral, contactada pelo O PAÍS, alegou que entre os manifestantes havia infiltrados e foram esses que vandalizaram o portão nos olhos dos agentes da Polícia Nacional.

“Os delegados estão a ser paulatinamente pagos, uma vez que estamos a depender de outros expedientes para se desbloquear os valores”, diz a fonte deste jornal no calor dos acontecimentos.

Antes das eleições do dia 24 do mês do passado, os delegados acertaram com a direcção da CASA-CE de que os delegados receberiam alguns bens e em pecúnia seria apenas para simbolizar.

Esses, durante a formação concordaram, mas com as reclamações vistas nos outros partidos, o mesmo se estendeu à força política liderada por Manuel Fernandes e Alexandre Sebastião André.

Ainda assim, para se ultrapassar a situação, a fonte deste jornal fez saber que nos próximos dias vão manter um contacto com os jovens delegados de lista e aferir-se, de facto, que esteve a trabalhar no dia das eleições.

Agentes da Polícia Nacional “inoperantes”

No terreno e mesmo nos vídeos que estão a circular nas redes sociais, pode-se ver que os agentes da Polícia Nacional só agiram quando o portão estava quase a beijar o solo.

Um dos agentes fez alguns disparos, o que resultou na dispersão dos jovens, cuja fúria se via a escorrer nos rostos e nas atitudes que praticavam ontem no período da tarde, na Maianga, em Luanda. Por esta razão, os membros da CASA-CE condenam o comportamento dos agentes da Polícia Nacional, uma vez que, enquanto decorriam os actos de vandalismo, os agentes assistiam impávidos e serenos.

Coligação eleitoral não elege deputados Nas eleições dia 24 de Agosto, a Convergência Ampla de Salvação de Angola-Coligação Eleitoral (CASA-CE) não elegeu qualquer deputado no círculo provincial e nacional.

Depois da divulgação dos resultados definitivos, a Coligação Eleitoral obteve 47 mil e 466 votos, o que corresponde a 0,76 por cento, tendo o maior estrondo desde a sua fundação em 2012.

Ainda assim, a CASA-CE não “engoliu” os resultados, tendo prometido recorrer e reagir, conferência de imprensa, mas nesta Terça-feira, à última hora cancelou o pronunciamento.

Em 2012, com Abel Chivukuvuku na presidência, a Coligação Eleitoral elegeu oito deputados, número que aumentou para dezasseis em 2017, segundo os resultados desse pleito.