Governo de Luanda “ressuscita” programa de horta escolar

Governo de Luanda “ressuscita” programa de horta escolar

No âmbito do Programa de Implementação da Horta Escolar, uma equipa técnica constituída pelos gabinetes provinciais da Agricultura, Pecuária e Pescas, da Educação e representantes do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) mantiveram, no último final de semana, um encontro de trabalho que visou definir as fases, métodos e consistência da implementação do referido programa

O Governo Provincial de Luanda (GPL) e parceiros reactivaram o programa de horta escolar, com objectivo de ensinar a importância da agricultura e ser um complemento lógico da merenda escolar, segundo o director provincial da Agricultura, Pecuária e Pescas, a nível de Luanda, João José Pedro.

O programa visa levar, acima de tudo, a educação ambiental, o amor ao verde e valores cívicos às escolas do ensino de base, bem como ensinar a importância da agricultura no seio das famílias, levando técnicas de produção, transformação e conservação de produtos aos mais pequenos.

O director provincial da Agricultura, Pecuária e Pescas, João José Pedro referiu que o programa de horta escolar não é novo e que o mesmo está a ser redimensionado ao contexto actual, tendo em atenção os programas já lançados e existentes no Governo de Luanda.

Neste contexto, vai abranger todas as escolas da província de forma faseada, porque tem várias componentes e nem todas as escolas têm as mesmas características.

Contudo, disse que existem várias metodologias e estão definidas de acordo com a tipologia de cada região e de cada escola, sabendo de antemão que cada município é diferente.

Nas hortas serão plantadas culturas que acrescem valores nutricionais às crianças e que poderão fazer parte da merenda escolar, tais como beterraba, batata doce, cenoura, cebola, couve, beringela, entre outras plantas aromáticas.

De acordo com João José Pedro, a horta escolar vem, sobretudo, a ser um complemento lógico para a merenda escolar, tendo em conta que tem dado passos certos e sem falhas.

“O que estamos a levar é apenas um acréscimo e sobretudo a educação como factor excepcional”, sustentou.

À margem da reactivação das hortas escolares existem várias acções implementadas em diferentes escolas de Luanda, e algumas tiveram acções conjuntas com o programa de arborização de Luanda (PAL).

Dentro em breve, o programa de hortas escolares será lançado, depois de revestido com as modificações que o contexto actual exige.

Quanto aos constrangimentos, João José Pedro disse que existem alguns, porém, com a reflexão que é exigida e com o apoio do governo e da sociedade, de modo geral, os obstáculos serão sempre contornados.

O director provincial da Agricultura, Pecuária e Pescas disse ainda que a horta escolar é um complemento e é suporte de vários outros programas e que um outro objectivo é levar uma orientação às crianças sobre a importância da agricultura, o meio ambiente, a reciclagem, a conservação e, acima de tudo, a importância na plantação e tratamento de árvores.

O programa em questão foi desenhado, pensado e elaborado pelo GPL e seus parceiros, sendo que a equipa técnica é constituída pelos gabinetes provinciais da Agricultura, Pecuária e Pescas, da Educação e representantes do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).