Secretário de Estado defende o reforço da literacia digital

Secretário de Estado defende o reforço da literacia digital

O secretário de Estado para o Ensino Superior, Eugénio Silva, defendeu ontem, em Luanda, que não existem dúvidas de que as novas tecnologias actualmente têm uma dimensão importante na vida da população, pelo que se deve aumentar as competências digitais dos

Deu-se início ontem, dia 6, à abertura do Fórum de Tecnologia e Educação, na cidade capital, onde vá- rios intervenientes terão a oportunidade de debaterem sobre tecnologia e educação, desenvolvimento sustentável, entre outros aspectos. No dia de abertura, o secretário de Estado para o Ensino Superior, Eugénio da Silva, disse que o fórum vai contribuir certamente para reforçar as acções do Executivo no que à tecnologia e à educação dizem respeito.

Está em causa a promoção da literacia digital, as competências digitais dos cidadãos, bem como o desenvolvimento da vida numa sociedade tecnológica. “Está em causa a criação de estratégias assertivas que contribuam para que o país possa dar um salto positivo e se torne numa sociedade tecnologicamente desenvolvida, baseada no conhecimento e na inclusão”, disse o responsável.

Considera ainda que, na mesma perspectiva, são colocados desafios que devem ser encarados sob consideração de conclusão de estratégias fundamentais, como o Plano de Desenvolvimento Nacional 2023-2027, o Plano de Desenvolvimento de Capital Humano 2035 e ainda os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, entre outros, documentos importantes. Estamos a desenvolver estratégias políticas, disse o secretário de Estado, para a generalização da mentalidade tecnológica e implementação de programas digitais no ensino superior no país, por exemplo, ajustados a esta nova era que se abre”, esclareceu.

Este fórum é, na verdade, um pretexto para os dirigentes voltarem ao debate a questão do desenvolvimento tecnológico. Para o secretário de Estado, o que está em causa não é uma questão apenas de instalação de infra-estrutura tecnológica, mas acima de tudo de formação de competências, e de saber li- dar com as tecnologias. Existem vantagens e desvantagens mas o caminho é continuar Por outro lado, durante a aula magna, o professor Bornito de Sousa, manifestou que neste processo da inteligência artificial há vantagens e desvantagens, mas o caminho é continuar.

Não podemos abandonar totalmente os métodos e procedimentos clássicos, desde o simples tomar nota ou escrever à mão, até o uso inteligente da pirâmide sobre os critérios de aprendizagem, mas é importante o uso das tecnologias para resultados rápidos.O antigo vice-Presidente da República recomendou que se continue a valorizar o professor, humano ou robot, porque continuarão a ser importantes. Já o coordenador do Fórum de Tecnologia e Educação, Zacarias Quinquela, disse que o evento vai reunir especialistas da matéria com o objectivo de debaterem tendências e boas práticas no sector. O FTE reunirá mais de 500 participantes incluindo gestores educacionais, professores, pesquisadores, estudantes, empresários, corpo diplomático, representantes de educação de embaixadas acredita- das no país e profissionais de organizações públicas e privadas ligadas à tecnologia e à educação.

O encontro tem como objectivo fortalecer o ecossistema de tecnologia e educação no país, promovendo a troca de conhecimentos, experiências e boas práticas entre os diversos intervenientes do sector. Deste modo, alinha-se com as iniciativas do governo angolano, dando continuidade às conclusões da 2.ª reunião extraordinária dos ministros da Educação da CPLP, o Plano Estratégico de Cooperação Multi- lateral da CPLP 2022-2026 e o Plano de Acção e Cooperação em Edu- cação da CPLP 2022-2024.