Um adeus sem os amigos que nunca o foram

Um adeus sem os amigos que nunca o foram

Por estes dias, aparecer ao lado de um agnóstico, homem assumidamente de esquerda como o António Setas, fica tão mal que nem com ele morto é conveniente. Estamos em tempos de reacertos, de reacomodação dos interesses e dos apetites mundanos, e também da reafirmação da . . .


Registe-se como Assinante ou inicie sessão para continuar a ler este artigo.
Entrar - Criar Conta